CURTAS VILA DO CONDE

Posted on Posted in divulgação, programa

No ano em que celebra o seu 25º Aniversário, o Curtas de Vila do Conde traz a Leiria uma extensão em dose tripla.

A somar à habitual mostra do Best Of (curtas vencedoras), o Teatro José Lúcio da Silva, com o apoio da ecO, apresenta ainda uma selecção de curtas infantis (Curtinhas) e um programa que inclui algumas das curtas selecionadas por 25 personalidades e que compõem o 25 Anos Carta Branca.

Serão dois dias do melhor do cinemapara miúdos e graúdos, tudo em dose curta, no Teatro Miguel Franco.

 

25.ª Edição do CURTAS VILA DO CONDE – Festival Internacional de Cinema

EXTENSÃO LEIRIA
Teatro Miguel Franco

 

Quarta-feira, 20 setembro, 10h30

CURTINHAS

Uma seleção dos filmes premiados na secção Curtinhas do 25ª edição do Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema, dedicada aos mais novos.
ENTRADA LIVRE

Curtinhas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

JUBILEU
Menção Honrosa M/3
Coralie Soudet, Charlotte Piogé, Marion Duvert, Marion El Kadiri, Agathe Marmion · França · 2016 · ANI · 7′

A vida não é assim tão calma para o cão real nem para um guarda real.

 

PERDIDO NA PRIMAVERA
Menção Honrosa M/6
Fred Leao Prado Wall · Reino Unido · 2016 · FIC · 13′

Uma tímida menina de 7 anos embarca, com o incentivo da professora, o amor da avó e um encontro místico, numa viagem de auto-confiança, que culmina na noite de estreia da peça de teatro da escola.
RIMAS REVOLTANTES, PARTE UM
Prémio Curtinhas MAR Shopping
Jakob Schuh, Jan Lachauer · Reino Unido · 2016 · ANI · 27′

Um filme de animação de meia hora que adapta três poemas de Dahl – Branca de Neve & os Sete Anões, O Capuchinho Vermelho e Os Três Porquinhos.

 

 

Quarta-feira, 20 setembro, 21h30

CURTAS 25 ANOS CARTA BRANCA

Na sua 25ª edição, o Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema apresentou uma extensa carta branca composta por filmes exibidos em edições anteriores do festival escolhidos por 25 personalidades ligadas a áreas como o cinema, a música, o jornalismo e a literatura, entre elas Valter Hugo Mãe (escritor), Manuela Azevedo (Clã), Pedro Paixão (escritor), João Lopes (crítico de cinema), Adolfo Luxúria Canibal (Mão Morta), Miguel Gomes (realizador), e Paulo Furtado (The Legendary Tigerman).
Estas escolhas reuniram obras marcantes de cineastas como Manoel de Oliveira, Federico Fellini, Jean-Luc Godard, Maya Deren, Artavazd Pelechian, Chris Marker, Hal Hartley, Miguel Gomes, Matthias Müller, Man Ray, Gus Van Sant e João Pedro Rodrigues, ente outros.
Nesta extensão, serão apresentadas as escolhas de Manuela Azevedo, Eduardo Brito e Ricardo Alexandre.
BILHETES: €4,00 / €3,50 (descontos)

25Anos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

THE DAM KEEPER
Escolha de Manuela Azevedo (Clã)
Robert Kondo, Dice Tsutsumi · USA · 2013 · ANI · 18′
Num futuro desolado, a sobrevivência de uma pequena cidade apenas se deve a uma grande barragem com um moinho de vento que funciona como uma ventoinha para afastar as nuvens venenosas. Apesar do bullying dos seus colegas de turma e de um público indiferente, o operador da barragem, o Porco, trabalha sem parar para manter as velas a girar e assim proteger a cidade. Quando um novo aluno, Fox, se junta à turma do Porco, tudo começa a mudar.
A STORY FOR THE MODLINS
Escolha de Eduardo Brito (argumentista/cineasta)
Sergio Oksman · Spain · 2012 · DOC · 25′
Depois de aparecer no filme “Rosemary’s Baby”, Elmer Modlin fugiu com a sua família para uma terra distante, onde se fecharam num apartamento escuro durante trinta anos.
BICICLETA
Escolha de Ricardo Alexandre (jornalista RTP)
Luís Vieira Campos · Portugal · 2014 · FIC · 45′
O bairro do Aleixo, no Porto, é um lugar de mitos onde a sociedade tende a radicar problemas de sete cabeças. No entanto, para tantos que lá vivem, o bairro ergue-se como um lar, o lar de sempre, posto ali ao pé do rio, as vistas largas e generosas, sem maior sobressalto. “Bicicleta” parte do conceito de vizinhança e de família, a sobrevivência definida por princípios de alteridade que, no cenário de um bairro tão mitificado, ocorrerá com a naturalidade inevitável ao ser humano.

 

 

Quinta-feira, 21 setembro, 21h30

BEST OF CURTAS VILA DO CONDE

Uma seleção dos filmes premiados na 25ª edição do Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema.

BILHETES: €4,00 / €3,50 (descontos)

BestOf

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MY BURDEN
Prémio Animação (Competição Internacional)
Niki Lindroth Von Bahr · Suécia · 2017 · ANI · 13′

Neste carrancudo e absurdo musical encenado algures na Suécia, a música funciona como redentora da letargia e tristeza existencial deste conjunto de personagens. Num hotel cujos hóspedes são sardinhas, num restaurante sem clientes servido por roedores, num call-center cujos operadores são macacos e num supermercado vazio abastecido por um canino repositor de produtos, o apocalipse é um sedução libertadora.

 

RETOUCH
Prémio do Público Nieeport (Competição Internacional)
Kaveh Mazaheri · Irão · 2017 · FIC · 19′

Esta obra mais recente do iraniano Mazaheri revela um mergulho no Irão contemporâneo, com as dinâmicas de uma família a refletirem os fantasmas e tabus de todo um país. Uma composição psicológica das personagens como seres complexos, movendo-se nas zonas cinzentas, é aqui materializado na figura de uma misteriosa mulher que, de repente, toma uma das mais importantes (e drásticas) decisões da sua vida.

 

SURPRESA
Prémio do Público SPA (Competição Nacional)
Paulo Patrício · Portugal · 2017 · ANI/DOC · 9′

Animação documental que tem como base uma conversa gravada entre mãe, Joana, e a filha, Alice, com três anos de idade e a recuperar de um cancro do rim. Ao longo da conversa falam, de uma forma muito aberta e franca, sobre a doença, o presente, as lutas e conquistas de ambas.

 

OS HUMORES ARTIFICIAIS
Prémio BLIT para Melhor Realizador (Competição Nacional)
Gabriel Abrantes · Portugal/Brasil · 2017 · FIC · 29′

Através do cruzamento entre a estética de Hollywood e as estratégias do documentário, o filme acompanha uma jovem indígena do Parque Natural do Xingu até São Paulo, onde se apaixona por um robot em vias de se tornar um comediante de stand-up. Esta é uma história singular que mistura a antropologia do humor, comunidades indígenas e inteligência artificial.